Patologias pleurais – Diagnóstico

19 de julho de 2016

Radiografia do tórax é um dos principais exames para o diagnóstico das doenças pleurais.

Embora sejam muito semelhantes, o diagnóstico das doenças pleurais (como pneumotórax e derrame pleural) pode variar de acordo com a enfermidade específica. Ambos utilizam a radiografia do tórax como um meio de identificar o problema, mas existem outras maneiras.

Derrame pleural

A toracoscopia é o método para a realização de diagnóstico em mais de 90% dos casos. Quando o derrame não for uma consequência  de outra enfermidade — insuficiência cardíaca congestiva, neoplasias disseminadas –, o paciente deve ser submetido a uma radiografia de tórax ou à toracocentese (processo cirúrgico de coleta de líquido pleural para análise). O exame vai identificar que tipo de derrame ocorreu, se foi transudato ou exsudato.

Nos transudatos não há envolvimento primário da pleura, não havendo necessidade de futuros estudos do líquido pleural ou biópsias. O diagnóstico deve ser conduzido na direção de doenças que provocam aumento da pressão na região ou comunicação com a cavidade peritoneal. Nos exsudatos, o derrame pleural é, em geral, consequência de processos infecciosos, inflamatórios ou neoplásicos.

A identificação do tipo específico de derrame ajuda na determinação da causa e decorrente tratamento. O exame depende de pelos menos 20ml de fluido obtido por toracocentese. Os testes básicos deverão incluir contagem total e diferencial de células, proteína total, DHL, glicose, PH, citologia oncótica e bacteriológico completo.

Pneumotórax 

Já o diagnóstico do pneumotórax é baseado no exame físico e, principalmente, na radiografia do tórax, que confirmará a situação. O exame é capaz de mostrar a aglomeração anormal de ar entre o pulmão e a parede do tórax.

Caso seja necessário,  o médico poderá solicitar uma tomografia computadorizada do tórax.

Relacionados