Pré-operatório – Exames gerais

19 de julho de 2016

Veja quais são os exames solicitados ao paciente que irá passar por uma cirurgia torácica.

Antes da realização qualquer cirurgia torácica, o paciente será submetido a alguns exames pré-operatórios. Eles servem para identificar alterações que possam ser corrigidas antes do procedimento cirúrgico a fim de diminuir os riscos da operação em si. São necessários análise de risco cardiopulmonar e exames complementares, principalmente em caso de alterações metabólicas.

Avaliação física

Antes de qualquer exame ou procedimento é necessário conhecer o histórico do paciente. Tabagismo, medicações utilizadas, doenças associadas (hipertensão e diabetes), emagrecimento, intolerância aos esforços e história familiar.

O exame físico tem como objetivo detectar sinais e sintomas que devem ser investigados e levados em consideração antes da indicação da cirurgia, por exemplo: dispneia (falta de ar), tosse, broncoespasmo (“chiado”), cianose (extremidades azuladas ou arroxeadas, denotando dificuldade de oxigenação), palpitações e precordialgia (dor torácica). Esses sintomas podem interferir na maneira como a cirurgia será conduzida.

Exames laboratoriais 

Como a cirurgia torácica trabalha principalmente com a anestesia geral, é indispensável  um hemograma completo para verificar a contagem de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas. O coagulograma também é importante para o controle adequado da coagulação sanguínea.

A gasometria (exame que mede o pH e os níveis de oxigênio e gás carbônico no sangue de uma artéria) é de igual importância para que se tenha o controle de O2 e CO2. É um exame fundamental no intra-operatório e extremamente necessário para o manejo pós-operatório das cirurgias de grande porte.

Avaliação radiológica

Deve-se sempre realizar radiografia de tórax nos pacientes submetidos à cirurgia torácica, principalmente na véspera ou no dia da cirurgia, pois não é incomum a mudança no padrão radiológico para melhor ou para pior.

A tomografia computadorizada do tórax é indispensável. Ela ajuda na estratégia e abordagem das lesões, facilitando inclusive o diagnóstico. Sempre que possível, deverá ser feita com contraste, a fim de identificar comprometimento vascular associado.

Já a ressonância nuclear magnética tem sua vantagem sobre a tomografia na avaliação de tumores torácicos. O exame é capaz de notar se as neoplasias estão invadindo os vasos e nervos torácicos de grosso calibre, estruturas musculares ou ósseas do esqueleto torácico.

Avaliação endoscópica 

A broncoscopia é um importante método para avaliação pré-operatória das vias aéreas e indispensável na rotina do diagnóstico e estadiamento (verificação do estágio da doença maligna) das neoplasias pulmonares. A visualização endoscópica dos brônquios e da traqueia permite a coleta de materiais por aspiração ou biópsia de forma pouca invasiva.

Prova de função pulmonar 

É solicitada para pacientes que serão submetidos à cirurgia de ressecção pulmonar. Visa medir os volumes e a capacidade pulmonares, permitindo verificar se há necessidade de se fazer uma reabilitação pulmonar pré-operatória (fisioterapia respiratória, medicações etc.), além de avaliar o risco de complicações pulmonares pós-operatórias.

Avaliação cardiológica

O eletrocardiograma e o ecocardiograma são exames que devem ser solicitados para possível detecção de disfunções cardíacas, arritmias, doenças valvares, alterações secundárias ao infarto do miocárdio, hipertensão pulmonar dentre outras patologias. Estas alterações cardíacas podem ter influência quanto ao uso de anestésicos durante a cirurgia, assim como nos cuidados pós-operatórios

Relacionados